Tartarugas Marinhas
7 de Julho, 2020
Tudo sobre tartarugas marinhas

As tartarugas marinhas têm 22% de hipóteses de morrer depois de ingerirem um único pedaço de plástico

Um estudo realizado por investigadores australianos mostra que as tartarugas marinhas têm uma em cada cinco hipóteses de morrer de comer um único pedaço de plástico.

Não é segredo que o oceano está poluído por plásticos e os animais marinhos comem-nos. Não é incomum encontrar tartarugas, cetáceos ou peixes cuja causa de morte esteja relacionada à ingestão de material não biodegradável.

Para quantificar a letalidade do plástico ingerido pelas tartarugas, pesquisadores australianos autopsiaram cerca de 1000 tartarugas mortas encontradas retidas em suas costas. Porque se alguns animais são encontrados asfixiados ou mortos pelo plástico, eles queriam saber o quanto as populações de tartarugas marinhas foram afetadas pela poluição.

Nas autópsias, este estudo não só investigou as causas de morte, mas também, quando não era devido à ingestão de plástico, se os animais falecidos o haviam ingerido de qualquer forma. “Sabíamos que as tartarugas consomem muito plástico, mas não sabíamos ao certo se o plástico havia causado a morte das tartarugas”, explicou o Dr. Chris Wilcox, pesquisador da CSIRO (Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization).

Quanto mais plástico uma tartaruga engole, mais perigo corre.

Alguns dos mortos não tinham nada a ver com plástico. É o caso, por exemplo, das colisões com barcos ou tartarugas presas por redes de emalhar de deriva. Algumas tartarugas até morreram depois de engolir polvos de anéis azuis, uma espécie venenosa.

As autópsias revelaram, não surpreendentemente, que quanto mais plástica uma tartaruga engolia, maior o risco de morte. O plástico pode bloquear ou rasgar o trato digestivo do animal, causando a morte. Para uma tartaruga de tamanho normal, engolir 14 pedaços de plástico corresponde a uma probabilidade de 50% de morte. Isto não significa que uma tartaruga possa comer 13 pedaços de plástico com segurança.

Para alguns, só foi preciso um para assinar a sentença de morte. “Nosso trabalho mostrou que uma tartaruga tem 22% de chance de morrer se ingerir um único pedaço de plástico”, diz Chris Wilcox. Observou-se que a morte seria certa quando uma tartaruga ingerisse 100 peças, como balões, invólucros de chupa-chupa ou sacos descartáveis.

Os jovens são ainda mais vítimas do plástico

Outros fatores também entram em jogo quando se trata de vulnerabilidade à ingestão de plástico. Os animais jovens, por exemplo, têm menos cuidado com o que comem e, por isso, é mais provável que tenham plástico no estômago. Da mesma forma, as taxas variam muito de uma espécie de tartaruga para outra.

Compreender as consequências da poluição dos oceanos pelos plásticos pode ajudar a compreender os seus efeitos sobre a população de tartarugas nos mares do mundo. “O modelo que desenvolvemos pode ser adaptado para nos ajudar a entender o impacto da ingestão de plástico, não apenas em indivíduos, mas também em populações de outras espécies marinhas em risco”, continua Dr. Wilcox.

Como salienta a WWF, as sete espécies de tartarugas marinhas estão ameaçadas e a poluição dos oceanos é um dos principais flagelos que as afectam. De acordo com uma estimativa mais recente, mais de oito milhões de toneladas de plástico são encontradas nos oceanos do mundo a cada ano.